A saga de um brasileiro para ter seus documentos

Quando minha CNH venceu, nem fui atrás de renovar porque havia vendido meu carro, sendo assim, para que perder tempo em repartições públicas.

O mundo gira então tive que renovar e aí começou a saga que nem os escritores de Lost poderiam prever.

 

1056130_50646688

Fiz a agendamento no site do Poupatempo, nada muito intuitivo, mas com um pouco de café e perseverança consegui marcar para o dia seguinte.

Minha CNH é de Catanduva, sendo assim, antes da renovação era necessário passar para a cidade de São Paulo.

Fui na hora marcada, as 8 horas da madrugada, e peguei a fila da triagem, que confesso que havia apenas três pessoas na minha frente. Lá falei que era transferência e renovação, ela checou meus documentos, assim recebi uma senha que seria chamada no painel 2.

Após uns 15 minutos de espera fui chamado e prontamente atendido, pediram meu RG, CPF, CNH (todas essas informações estão na CNH, mas e daí…), comprovante de residência.

Ela abriu o protocolo até perceber que minha carteira era de Catanduva, resultado – voltar para a fila da triagem, a mesma que me enviou erradamente para a renovação antes da transferência.

De volta para a triagem fui atendido após uns 10 minutos, rápido até, a mulher esbravejou, perguntou-me quem havia me enviado errado e eu, que não sou X9, nem falei nada.

Ela pegou novamente meus documentos (terceira vez apresentando que eu, sou eu) e disse que meu RG estava muito velho e que não poderia aceitar aquele documento, apesar da CNH e CPF comprovar de que eu, era eu. Ah, estava com certificado de reservista, embora por um motivo misterioso ele não é aceito.

Mission Fail

Fui então fazer uma segunda via da minha carteira de identidade que agora conta com o número do PIS, comprovado por meio do cartão cidadão, logo tive que tirar o cartão cidadão, diga-se de passagem para tirá-lo precisa do RG e para este precisa do cartão cidadão, fiquei com medo de cair no limbo, mas houve salvação.
CNH – RG – Cartão Cidadão – RG…

Fui na Caixa Econômica e pedi o cartão cidadão, sendo que este aceitou a reservista como documento de identidade, 15 dias depois já estava com ele em mãos e fui atrás do RG.

Novamente agendamento no Poupatempo, dessa vez no da Luz, levei o documentos necessários, tirei minha foto, deixei minhas impressões digitais e paguei a taxa.
E novamente 15 dias depois já estava com ela em mãos.

CNH – RG – Cartão Cidadão (15 dias)- RG (15 dias), enfim um mês depois de querer renovar minha carteira de motorista pude efetivamente começar a desenrolar a situação.

Cheguei por volta das duas horas no Detran da Armênia e fui para a zona de triagem, lá a mulher checou meus documentos e liberou o pagamento da transferência e da renovação, rápido, 10 minutos ali. Estava lindo até ir pagar a taxa, fila enorme na única agência interna que recebe os pagamentos, depois de quase 30 minutos consegui pagar o boleto em meio a discussão de funcionários e clientes sobre se o ventilador deveria ficar ligado ou não, segundo uma das atendentes: Uma hora nóis sofre, outra hora são vocês (óbvio que eu estava na hora do “são vocês”).

Desci novamente para a triagem que viu o pagamento efetuado, junto com os documentos, e me deu uma senha para dirigir-me ao atendimento da transferência no painel 2.

Sentei uma garota que a vontade de trabalhar se assemelhava com uma tartaruga com preguiça, ela preencheu o formulário, confirmou novamente meus documentos e pronto, começou a burocracia agir.

Ela pediu para eu me dirigir ao computador, entrar no site do Detran e agendar a renovação via online, após isso dirigir-me à triagem para pegar uma nova senha.

Lá vou eu no computador do Detran agendar a minha renovação, que já havia feito com a transferência, pelo menos na minha cabeça. Havia uma hora livre às 17h30, peguei e fui lá na triagem. Era mais ou menos 16h15.

Na triagem ela me deu a senha e um papel que me levou novamente ao painel dois. Sentei do lado da primeira atendente, a minha nova colega emitiu um papel que me autorizava a ir fazer o exame médico em qualquer clínica credenciada, após checar meus documentos, de novo, mas antes disso, ela pediu para eu utilizar a mesma senha e dirigir-me ao painel 3.

Com uns 5 minutos de espera fui atendido pela típica funcionária de filmes de humor. Impassível de soltar um “bom dia” como se isso fosse o desafio do dia, essa atendente checou meus documentos ( a essa hora eu já estava duvidando de quem eu era), pegou minhas impressões digitais, tirou foto e me mandou ir fazer o exame médico.

Lá vou eu, às 17h, para fora do Detran em busca do exame médico que, obviamente achei na esquina.

Paguei a taxa, claro que em dinheiro porque cartão é algo proibido no que se diz a serviço público, fiquei uns 15 min em uma sala de espera até ouvir no corredor ao fundo alguém chamando meu santo nome.

Um médico que mal saia a voz, talvez efeito de anos de cigarro, falou algo comigo que apenas sorri, pois fiquei com receio de ser o enigma da esfinge. Foram mais ou menos 30 segundos de teste visual, digno de aprovar Mr. Magoo com louvor.

Com meu ótimo exame em mãos (superman ficaria com inveja das minhas habilidades descritas no papel), voltei ao Detran e entreguei o resultado no retorno – que fica na triagem – após checarem meus documentos e pronto, agora é só esperar três dias úteis para ser novamente habilitado.

CNH (duas horas fail) – RG – Cartão Cidadão (15 dias)- RG (15 dias)-(CNH 3h30 + três dias) = 33 dias cinco horas e 30 minutos para renovar um documento.

Uma nova saga se apresenta, por algum motivo divino eu encanei de tirar meu MTB, registro de jornalista no Ministério do Trabalho, e já começou bem: Liguei na central de Santana, do lado de casa, e ela mandou eu fazer meu SIRP antes de entrar com o pedido no Ministério.

Fui na minha ingenuidade e fiz o cadastro no SIRP (Sistema de Informações da República), detalhe ele tem validade de entrega ou ele prescreve, o meu deixará de ser válido no dia 04/10 e meu agendamento para pegar o MTB será no dia 14/10, na sede regional de São Paulo, porque em Santana não havia mais horário disponível nesse ano.

Uma visão chata do jornalismo

2012-04-05 13.12.02

O jornalismo nasce como uma profissão marginal. O trabalho de letrados, muitos escritores que tinham como única alternativa de trabalho escrever para jornais e revistas para sustentar seus vícios.

O jornalista era o “olhar dos de fora” dentro do mundo daqueles que faziam a roda girar. Um chato, um malandro no modo “zé pelintrisco” do termo, que incomodava com suas perguntas que tinham por trás até mesmo um “q” de recalque.

Hoje em dia é um profissão de elites, não que haja algo completamente errado com isso, contudo  muda completamente o viés da comunicação.

Ao entrar na Cásper tive como companheiros de estudo a classe média alta paulistana e a classe média do interior do estado o que tornou tudo muito homogêneo.

Pessoas iguais pensando de maneira parecida com apenas algumas arestas de diferença e isso reflete no jornalismo que vemos sendo feito hoje.

O filtro de notícias passa pelo olhar do profissional da comunicação, quem determina o que é fato relevante ou não é ele, com pessoas que possuem as mesmas referências culturais o filtro se torna “standart” e temos como consequência a chatice e mesmice como resultado nas grandes mídias.

A profissão perdeu se caráter de chata, para se tornar glamourosa e, como tudo que vende fama, tornou-se escrava da sua própria vontade de se vender assim.

Redações sem conflitos ideológicos, culturais e de experiências de vida perdem a vida, perdem o movimento e esvanece seu sentido de ser.

Soma-se a isso a impossibilidade do novo jornalista de pensar, afinal, sua bunda está quadrada na cadeira e a apuração mais profunda é a validação da Reuters porque se ele não subir o “furo” no portal rapidamente a página perderá os “views”.

Poucos profissionais na redação e que são obrigados a realizarem serviços de curadoria em setores que nem há um grande conhecimento , o culto ao “amador” incentivado pelas próprias entidades da imprensa, e a necessidade de não ficar para trás, ao invés de gerar conteúdo relevante.

Tudo isso tem seu lado bom, afinal, somente os loucos e cheios de “vícios” é que se sujeitarão a esse tipo de trabalho gerando novamente o conflito do saber dentro da profissão. De repente, o fundo do poço do jornalismo será a salvação.

Preconceito e alienação de PC Siqueira sobre direita e esquerda

Profundamente falacioso isso.


Esquerda visa maior ação do Estado para minimizar problemas sociais, contudo no Brasil tem um caráter marxista o que leva-nos a ter uma extrema esquerda que visa tomar o Estado para a instauração da Ditadura do Partido Único.


A Direita, no Brasil, busca também uma maior ação social do Estado contudo ainda arraigado no conceito Integralista de Deus, Pátria e família. Também acredita em uma maior intervenção do Estado, extrema direita, com a intenção de proteção dos interesses nacionais.


PSDB e PT, por exemplo, são Sociais Democráticos o que os coloca como centro-esquerda. Não temos uma “direita” forte a atuante no Brasil nesses moldes.

Contudo temos uma terceira via que o PC Siqueira misturou no mesmo balaio que são os liberais.


Os libertários possuem suas vertentes contudo a mais corrente é que o Estado cuide das necessidades básicas: Saúde, Educação e Segurança e tenha uma carga tributária diminuta que permita às pessoas a desenvolverem a livre iniciativa. Isso dentro de uma visão “real” seria colocado como de Esquerda também.
Tanto a esquerda que temos aí como a direita, querem tomar o Estado, ampliá-lo de acordo com suas ideologias e seus intentos. O liberalismo prega a liberdade individual se aproximando muito do Anarquismo em vários pontos.


PC Siqueira se tornou influente utilizando uma ferramenta que permite as pessoas compartilharem o que querem de maneira gratuita. Não é uma ferramenta de Estado e mesmo assim cumpre a sua função de distribuição.


Ele se tornou o que é pelo seu próprio conteúdo, por sua livre iniciativa e agora vem colocar libertário como de Direita.
Sem mais.

E se o hino nacional falasse a verdade?

E se fizéssemos nosso hino nos baseando na realidade do brasileiro?

O vídeo é meio antigo, porém expressa muito bem os problemas que temos em nosso país.
Ah! taxa Selic aumentou de novo, preparem os bolsos. Como não podemos fazer praticamente nada além de chorar, pelo menos ria um pouco assistindo ao vídeo!