Dólar, como funciona essa moeda e como ganhar dinheiro com isso

Dólar, como funciona essa moeda e como ganhar dinheiro com isso

 dolar

Ouvimos todos os dias sobre a cotação do dólar, embora a maioria não tenha a mínima noção de como a formação do valor funciona e qual é a função dessa cotação. Além disso, até mesmo jornalistas econômicos não entendem o que faz a moeda americana subir ou descer e menos ainda de como se ganhar dinheiro com isso.

 

Os trabalhadores do dólar. Os traders.

Trader nada mais é que um comerciante, mas ao invés de trabalhar com produtos físicos, como os que se encontram nas lojas, ele trabalha basicamente com ações e contratos futuros.

O nome pegou devido aos trabalhadores da bolsa que realizavam as compras e vendas de ações in loco. Hoje com a tecnologia esse tipo de trabalho deixou de ser algo que necessita estar na bolsa para se tornar uma importante forma de trabalho on-line sendo os contratos futuros e o câmbio os mais utilizados devido a sua grande volatilidade diária.

 

Mas afinal, o que são contratos futuros?

Os contratos futuros podem ser considerados como ferramentas de proteção de preços de commodites porque confere um valor aos bens produzidos ou às moedas que estão sendo negociadas.

Uma empresa que pretende realizar uma dívida em dólar, por exemplo, correria o risco de grandes prejuízos se não tivesse como estabelecer qual seria o valor que teria que pagar ao longo dos meses. Por mais que o sistema não seja perfeito, afinal possui uma grande liquidez, isso fornece uma noção de como o mercado estará nos meses seguintes permitindo assim uma previsão de gastos e recebimentos. Isso vale para as commodities como o trigo, o milho e o arroz.

Tales de Mileto, o primeiro especulador.

Tales de Mileto, o primeiro especulador.

Aliás, a primeira transação de mercado futuro foi feita pelo matemático Tales de Mileto que previu uma grande colheita de azeitonas e alugou, meses antes, todas as prensas da região por um valor muito barato e vendendo a utilização destas a um valor maior quando foram necessárias fazendo um belo lucro.

O mercado futuro da mesma maneira que ele gera uma garantia aos negociantes ele também pode gerar algumas aberrações no mercado que são comumente chamadas de bolhas. São uma espécie de consenso irracional entre todos os players que após um tempo prova-se completamente irreal. Temos o caso dos CDS (Credit Default Swap) norte-americanos como o caso mais recente, contudo pela história temos a “bolha das tulipas” na Holanda ainda no século XVI em que toda uma população começou a especular sobre o valor das tulipas o que gerou uma grande demanda pela flor que chegou a valores estratosféricos e que levou muitos à falência quando ninguém estava disposto a comprar esse bem que tinha muita oferta, pouca procura e um valor alto.

O que temos hoje nos mercados futuros nasceu nos Estados Unidos com o Chicago Board of Trade (CBOT) que começou a utilizar contratos futuros para garantir valores mais aceitáveis para os agricultores e também para os compradores que pagavam quantias absurdas no inverno enquanto no verão eram os agricultores que não conseguiram lucros com suas mercadorias devido à abundância no mercado. Alguns preferiam jogar sua mercadoria fora a vender por valores tão baixos.

Com o tempo vários outros produtos foram aderindo aos mercados futuros entre eles o dólar que é um dos mais negociados todos os dias nas bolsas do mundo graças ao câmbio flutuante.

 

O que são os contratos de Dólar e mini-Dólar

As negociações das moedas são realizadas por contratos com valores fixos para manter assim a agilidade do mercado. Um contrato de dólar corresponde a 50 mil dólares enquanto o de mini-dólar é de 10 mil dólares – 20% de um contrato cheio. Além disso, os contratos grandes são necessários pelo menos cinco para poder adentrar ao mercado, formando assim um lote de 250 mil dólares.

As negociações são feitas sempre com um mês de antecedência, ou seja, os contratos do mês de novembro foram negociados em outubro e assim por diante.

É importante notar que a cotação do dólar é feita de maneira diferente do que é apresentada ao consumidor. Enquanto nós noticiamos que o dólar está a R$3,17, o mercado faz a mesma leitura como R$3.171,00. Dessa forma fica até mais fácil de entender como o processo de especulação acontece.

Com o contrato de dólar, a cada ponto que a moeda modifica – subindo de R$3.171,00 para R$3.172,00 – o contrato se valoriza em 250 reais e é este o lucro realizado pelo trabalhador do mercado financeiro. No mini-dólar a cada ponto ganho estamos falando de 10 reais.

 

Como funciona a sua volatilidade

A volatilidade da moeda acontece principalmente de maneira especulativa e depende de inúmeros fatores, muitos deles psicológicos, o que oferece possibilidades de ganhos tanto na alta quanto na baixa.

Ao contrário das ações, no mercado de dólar você consegue entrar “vendido” ou seja, mesmo sem ter nenhum contrato em mãos o trader consegue entrar no mercado com posições negativas, com isso, ele vende na alta e compra na baixa, mesmo não estando anteriormente posicionado no mercado.

É uma quebra de paradigma, já que a princípio a pessoa está vendendo o que ela não tem. Contudo o que na realidade é feito é uma compra do Real. Explicando melhor, quando o trader está com “-5” contratos de dólar, na realidade a ação de venda que ele fez foi a compra de 5 lotes de Real que é realizada pela corretora e quando ele finalmente resolve zerar a sua posição, comprando cinco contratos ele está vendendo os 5 lotes de real que ele havia comprado.

Voltando a volatilidade ela é a grande responsável pela quantidade de especulação encima da moeda americana. Mas não se enganem, por mais que haja uma grande quantidade de “achismos” sobre o que ocorrerá com a moeda, as grandes forças responsáveis pela sua mobilidade na realidade são bem pragmáticas. Bancos, corretoras e empresas que necessitam da moeda para fazer negociações no mundo real, portanto a longo prazo, o dólar acaba seguindo uma tendência racional sujeitas a muitas regras matemáticas utilizadas pelos traders como a sequência de Fibonacci, Gráficos de Boiller e muitas outras que ajudam no traçado das estratégias de negociação.

 

Principais índices que afetam o dólar

Há muitos acontecimentos que afetam o índice do dólar, alguns modificando a tendência do dia e outras marcando a tendência de longo prazo. Os principais fatores que influenciam o câmbio são o Pay Roll norte americano que é o índice de emprego nos Estados Unidos, as taxas de juros determinadas pelo FED e também as do Banco Central brasileiro.

Fatores da economia internacional também influenciam, pois em um mercado mundial, nós temos players que trabalham em busca dos melhores lugares para o investimento. Sendo assim, uma crise em países emergentes, que não o nosso, pode gerar uma alta aqui pelo simples fato de o mercado entender que está na hora de fazer investimentos em locais mais conservadores.
Política também influencia, contudo geralmente finca uma tendência a longo prazo nos valores do dólar a não ser em casos que surjam de surpresa como a morte de Eduardo Campos ou Brexit não bem calculado o que nos leva ao próximo fator.

Muitos fatos relevantes afetam o mercado mesmo sem ter acontecido. A chamada profecia autorrealizável.

Se há um consenso de mercado de que a adoção de uma nova lei será benéfica ao país e tudo leva a crer que será aprovada, a moeda americana já se ajusta a esse novo cenário mesmo antes de acontecer e, se o fato se confirmar, não veremos grandes oscilações no dia.

Um grande fator que mexe muito com os valores do dólar são os grandes players, empresas que trabalham com mais de cem lotes, contratos da moeda a americana. A entrada de grande negociante como este no mercado é capaz de influenciar em muito a moeda tornando o dia com grande liquidez. Atrás dessas grandes entradas há também bots, robôs programados para entrar junto com as grandes ordens para assim seguir a tendência do mercado.

Para entender um pouco melhor, se uma empresa entra com 300 contratos de dólar a um valor X, provavelmente ela não encontrará a mesma quantidade de pessoas dispostas a comprar nesse valor, com isso, ela acabará vendendo lotes em valores mais baixos do que o inicialmente gerando uma queda no dólar. Os algoritmos entram junto e acabam acumulando mais lotes de venda “ajudando” o mercado a cair  – maior oferta – contudo atrapalhando as vendas dos 300 lotes do grande player.
Várias técnicas foram desenvolvidas pelas empresas que hoje basicamente espalham suas ofertas em pequenos lotes que são vendidos ou comprados ao longo do dia, camuflando assim a sua participação, mas mesmo assim ainda afetando a liquidez do mercado.

O Brasil ainda não possui um mercado de pessoa física consolidado dentro do setor financeiro, as pessoas autônomas e até mesmo pequenas corretoras não conseguem influenciar as negociações tornando-se assim “sardinhas” que devem nadar de acordo com a maré do câmbio. Em locais como nos Estados Unidos ou Inglaterra, no mercado de Forex (compra e venda de moedas), uma ação organizada desses pequenos players pode sim gerar oscilações no mercado dependendo de como esse grupo de agentes faz as suas posições. A famosa teoria da manada de búfalos que quando estoura todos vão na mesma direção.

Por último e não menos importante as intervenções do Banco Central são um importante fator no ajustamento dos valores do dólar. Geralmente a atuação do BC é mais paliativa, evitando grandes altas e grandes quedas e buscando os interesses do país naquele momento, afinal um dólar mais alto pode influenciar positivamente a economia, assim como a sua queda em momentos determinados da economia.

 

Mas como se ganha dinheiro?

Técnicas utilizadas

Há várias técnicas utilizadas dentro desse universo para se realizar as transações sendo que a forma como os grandes investidores trabalham é bem diferente dos pequenos. Empresas, como PJMorgan, UBS, Itaú e Bradesco utilizam uma quantidade de ativos que influenciam o mercado sendo assim é comum eles fazerem ordens escondidas – não aparecem no book até serem executadas – robôs programados para dividir em pequenos lotes camuflando a sua participação dentro do mercado. Os grandes players muitas vezes querem evitar as flutuações no mercado para que assim consigam vender todos os seus contratos por um bom preço médio, por isso eles buscam agir da maneira mais silenciosa o possível.

Ou entram literalmente com força buscando uma pequena variação na liquidez, mas garantindo a compra ou a venda dos lotes necessários.

Para se ter uma ideia, há empresas que em um dia trabalham com mais de 2 mil lotes.

Entre os mortais, as técnicas utilizadas baseiam-se em analisar as tendências e seguir o fluxo do momento que pode ora ser comprador ora ser vendedor.

A análise gráfica e o tape Reading são as técnicas que mais aparecem no mercado. O primeiro utiliza do sistema visual para ver o fluxo dos preços e realizar ações baseadas nos movimentos do gráfico em que o de candlestick é o mais utilizado. A avaliação dos rompimentos de topo ou de fundos, médias móveis e assim por diante.

Exemplo de gráfico candlestick da Bússola do Investidor.

Exemplo de gráfico candlestick da Bússola do Investidor.

Sua vantagem é que permite uma análise mais rápida do que aconteceu no mercado sem ter que ficar focado em tantos números, contudo é mais difícil de prever alguns movimentos que estão para acontecer, são segundos que fazem toda a diferença para um trader.

O Tape Reading ou análise do livro de ofertas vem crescendo bastante no Brasil. Ele analisa as ações de compra e venda, quem são os compradores e a quantidade de lotes que estão sendo vendidos. Esse tipo de análise é mais complexa do que a de gráficos e permite que se veja mais claramente quem está agredindo o mercado e perceber quando um grande player entra em ação permitindo ao trader entrar junto com aquele para ganhar alguns pontos. Também é bom para analisar os falsos rompimentos, contudo a sua prática necessita de uma boa capacidade de raciocínio e de experiência para conseguir avaliar quatro ou cinco janelas de números e entender o que está acontecendo lá.

 

Janela de Tape Reading da Equipe Trader.

Janela de Tape Reading da Equipe Trader.

Algotrading é a utilização de algoritmos que são configurados para realizar ações no mercado de acordo com o que foi ordenado pelo trader. É muito utilizado por pessoas mais experientes no mercado, não como ação principal, mas como um acessório que facilita em determinados momentos permitindo assim que o operador possa se preocupar com analises maiores deixando os pequenos negócios para o algoritmo. Por mais que pareça tentador, realizar a configuração de algo assim é bem difícil para um iniciante, já que o conhecimento do mercado é fundamental.

Quais são os tipos de trade mais realizados

Scalpe Trade é a modalidade de Trade que passa pouco tempo posicionado, geralmente suas ações acontecem em minutos e raramente passará de 1 hora posicionado no mercado. Envolve a utilização geralmente de mais entradas e saídas do mercado buscando uma menor quantidade de pontos em comparação com os outros estilos. Geralmente trabalha com o sistema de riscos de 3×1 ou seja, 3 pontos de ganho para 1 de perda.

Swing Trade

Apresenta uma posição de entrada no mercado com posicionamento baseado em dias. Ficando em média de 2 até 3 dias analisando as oscilações do mercado de maneira diária. É um tipo de trade que é necessário ter um capital maior, já que, envolve ganhos e perdas maiores no período. Contudo possui menos entradas o que reduz os custos e ainda com o tempo maior para estudar o mercado é mais prático para se ter uma ideia das tendências.

Position Trade

É o prazo que trabalha com semanas e até mesmo meses de posicionamento no mercado. É raramente visto no mercado do dólar, embora seja muito praticado dentro do mercado de ações, junto com o Buy and Hold é o mais escolhido por aqueles que buscam o setor financeiro como uma opção para guardar dinheiro ou para a utilização posterior para a compra de bens ou serviços.

 

Riscos e como entrar no mercado

Principais riscos

O trabalho como day trader é um dos mais arrojados dentro do mercado financeiro sobretudo para aqueles que utilizam o processo de alavancagem. A volatilidade do setor pode gerar grandes lucros, mas também grandes perdas. Muitos realizam o trabalho sem nenhuma forma de trava para perdas e, com isso, uma leitura errada do mercado pode levar em minutos tudo aquilo que foi construído pelo profissional. Quando no início de outubro saiu o payroll norte americano, o mercado caiu mais de 20 pontos em 5 minutos. Para se ter um exemplo, uma pessoa posicionada com apenas um contrato de dólar poderia ter perdido nesse curto espaço de tempo 5 mil reais.

Gráfico diário. A queda é de 18 de Abril dia em que a Câmara votou a abertura do processo de Impeachment.

Gráfico diário. A queda é de 18 de Abril dia em que a Câmara votou a abertura do processo de Impeachment.

Outro ponto é que quando se está no mercado você fica à mercê das probabilidades, queda na internet ou notícia, tanto muito boa quanto muito ruim, pode gerar uma grande volatilidade. Assim como uma falha na ferramenta do banco ou da corretora pode gerar prejuízos para o trader que tomará 100% dos riscos, já que, nos contratos das empresas consta que até mesmo os erros deles, quem paga os custos é o próprio cliente.

Para evitar esses problemas, os traders profissionais costumam trabalhar sempre com opções de stop, que transformam a perda em algo calculado, assim como possui outras ferramentas para acessar as suas ordens no mercado. Não raro o trabalho com mais de duas telas e o smartphone conectado para evitar de perder o controle total sobre suas ações no mercado.

Outro ponto que apresenta riscos é o trabalho com a alavancagem com margens reduzidas a valores muito baixos.

Os traders pessoas físicas acabam alavancando as suas posições e quando a margem de compra dos contratos é muito baixa, acaba tentando os iniciantes a trabalharem com uma quantidade que pode afetar fortemente as suas finanças caso ele erre no mercado. Com isso, pessoas sem tanta experiência acabam se arriscando muito mais e gerando dívidas maiores do que suas economias o que aumenta a taxa de inadimplência das corretoras gerando o risco até mesmo de quebra da corretora. Parece difícil, mas imaginem no caso da queda das Torres Gêmeas como isso quebrou muito dos pequenos trabalhadores do mercado financeiro.

 

Como começar

Bancos e corretoras são as melhores maneiras de você conseguir entrar no mercado de day trade de dólar. Por meio deles você poderá realizar as ações de mercado futuro podendo escolher em trabalhar tanto com os contratos de dólar quanto com contratos de mini-dólar.

Como a compra de contratos é muito cara, o processo mais utilizado por quem está começando é o chamado processo de alavancagem em que o Banco ou corretora financia, por assim dizer, a sua entrada no mercado. Para o mini-dólar você pode encontrar de 140 reais até 800 reais por contrato de mini dólar enquanto que para o dólar pode achar de 5 até 10 mil reais por contrato.

As corretoras ganharão dinheiro geralmente por ordens executavas e os valores variam muito, embora pratiquem valores muito mais baixos que os bancos já consolidados.

Alguns até oferecem uma margem reduzida de riscos. Quando você atinge esse valor negativo você é bloqueado para o trabalho no mercado, isso é muito útil para evitar perdas exorbitantes de quem está começando embora não o proteja de uma grande oscilação, já que o bloqueio se dá com o fechamento de um dia para o outro.

Há também diversas empresas que estão focadas em cursos para trader possuindo opções tanto presenciais quanto on-line e assessoramento para os iniciantes, embora no mercado de livros seja um assunto escasso, há muitas leituras sobre o mercado que podem auxiliar aqueles que buscam uma fonte de renda alternativa entrando em um mercado tão arrojado como o dólar.

Uma boa dica é procurar por vídeos sobre o mercado de dólar no Youtube e, para conhecer melhor o mercado, começar por simuladores. A Atom possui um excelente simulador que pode auxiliar aos que estão começando, outras empresas também possuem como, por exemplo, a XP Investimentos.

Anúncios

Pastor Everaldo e o Liberalismo. Uma análise de suas propostas e o pensamento libertário

E lá vamos nós falar de Pastor Everaldo, a essa altura não é um candidato elegível para a presidência da República, apesar disso cumpriu bem seu papel evidenciando o PSC e garantindo mais uns votos para a legenda. Aliás aqui entre nós, você acha mesmo que todos os candidatos buscam a presidência? Bem, a resposta para isso ficará para outro dia.

A grande tese de Everaldo não é levantar a bandeira evangélica, mas sim, do “liberalismo” e da privatização.

Nos últimos anos assistimos ao crescimento dessa ideologia no Brasil sobretudo com a diminuição da militância de partidos de esquerda nas ruas e redes sociais, fruto da mudança de partidos tradicionais de “massa” para um caminho mais de “quadro”*. Com mais liberdade para professarem, os liberais estão ressurgindo como uma real terceira força na divisão política entre esquerda e direita que perdura desde a época de Revolução Francesa. O liberal não é uma via de direita (que engloba pensamentos conservadores) e isso está começando a ficar claro para algumas parcelas da população, dessa maneira é de se esperar o surgimento de um suposto candidato “liberal” para angariar esse tipo de voto.

Não entrarei no aspecto do que é ser liberal aqui nessa publicação, embora fique mais do que evidenciado nos pontos que colocarei aqui.

Pastor Everaldo buscou assumir essa bandeira batendo na tecla mais conhecida do pensamento liberalista que são as privatizações, contudo isto é um aspecto que não necessariamente tem a ver com pensamento libertário. Aliás, agradeço a publicação do texto no Spotnicks, de Joel Pinheiros que me ajudou muito nas argumentações.

As propostas de Governo passam pela defesa da privatização de empresas como a Petrobrás, assim como dos Portos e Aeroportos do país. Também relata a diminuição de tributos sobre as pequenas médias empresa assim como a “livre concorrência” no setor da saúde.

“Reafirmo o meu compromisso com a vida do ser humano desde a sua concepção. Sou contra o aborto, sem necessidade de plebiscito.
Sou contra a legalização das drogas.
Sou a favor da família como está na Constituição brasileira.
Sou a favor do livre mercado e da livre concorrência.
Sou a favor da liberdade e da meritocracia.
Sou a favor da liberdade de imprensa, sem marco regulatório.
Deus abençoe você, sua família e o nosso querido Brasil.”

Comecemos pelo ponto de vista econômico que é o mais próximo do Liberalismo lembrando que as propostas de governo são genéricas, como a de todo candidato, uma estratégia para evitar contradições.

Um pensamento simplista é acreditar que a privatização é a solução do problema da ineficiência e ingerência do Estado brasileiro. Para exemplificar peguemos o caso da Petrobrás.

É ingênuo acreditar que privatizá-la irá resolver os problemas de déficit da empresa, assim como reduzirá o valor dos combustíveis e também tornará mais efetivo o uso do Pré-Sal.

A Petrobrás simplesmente é dona do mercado, sendo que não há uma gota de combustível comprado em território brasileiro que não tenha alguma relação em a “semi-estatal”, simplesmente privatizá-la é passar para à mão da iniciativa privada um monopólio tornando assim desigual qualquer tipo de concorrência. Isso não é bom para o país, ao contrário pois da maneira como está apenas teríamos aumento nos preços do combustível sem ter um retorno visível para o mercado.

O ideal é abrir a concorrência não só para exploração de petróleo, mas também na obtenção e distribuição do produto final, com isso reduzimos nossa dependência da Estatal e provocamos a guerra dos preços e da eficiência entre as empresas do ramo. A Petrobrás até poderia existir como uma empresa estatal subsidiada, contudo sem ter o peso no mercado o qual possui nos dias de hoje.

Acho que ficou claro que privatização é diferente de Livre Mercado porém concordo com ele quando diz que o Estado brasileiro não tem que ser sócio de mais de 60 empresas via BNDES, como ele relatado na sabatina do Estadão.

 

Também é a favor da privatização da saúde, nesse quesito eu discordo por acreditar que a função pública é deter a violência; cuidar da saúde e da educação permitindo assim a mesma “base” para os indivíduos partirem para a livre concorrência.

Privatizar os exames laboratoriais não reduzirá tanto os custos do Governo, já que a população carente não terá acesso a esses recursos, que não por via Estatal.

Ao invés de livrar o setor público como player, talvez fosse melhor reduzir as taxas sobre esses tipos de exame assim como trabalhar com incentivos fiscais para profissionais da saúde que fizerem ações sociais.

Além disso, reduzir a carga tributária e aplicar a lei sobre planos de saúde. Uma saúde mais barata e mais eficiente retirará as pessoas de classe média do SUS assim possibilitará aos mais pobres ter acesso a essa modalidade. Porque, cá entre nós, vários planos de saúde jogam tudo para cima do SUS.

Apesar dessas divergências podemos colocar sim as propostas para saúde como Liberais, algo que flerta com o Anarco-Liberalismo.

 

O pensamento Libertário apesar de ser bombardeado com a famosa premissa do livre mercado, não é apenas economia, há as ideias sociais e individuais e nisso Pastor Everaldo passa longe do que seria liberal.

Para o pensamento Libertário, em 90% de suas vertentes, a livre iniciativa e o direito da pessoa de decidir aquilo que é melhor para ela é praticamente inalienável.

As agremiações sociais são incentivadas, afinal pequenos grupos que se unem por vontade para defenderem seus interesses, algo muito diferente do sindicatos de hoje que dependem de acordos com o próprio Estado para sobreviverem.

Sem mais enrolações, um Libertário acredita que questões como a aborto, drogas e casamento homoafetivo está no âmbito das escolhas individuais não sendo dever do Estado legislar sobre esse tipo de matéria, mas sim, de garantir que os direitos individuais de todos os cidadãos sejam defendidos, logo o candidato a presidência deveria ser “a favor” dessas questões mesmo que seu pensamento individual não o fosse.

Para saber mais sobre o Pastor Everaldo confira em

Pastor Everaldo Pereira do PSC um liberal? Menos… menos…

* Partidos de massa são caracterizados por um grande poder central, são hierarquizados e os pensamento da cúpula do partido são a regra, quem vota contra, é expulso. Contam com um grande poder de militantes que vão a ruas e fazem a patrulha ideológica. Exemplos: PSTU, PCO e PSOL.

Partidos de quadro possui um fraco poder central e seus partidários decidem de acordo com seus votantes, não apresentam um forte líder único e, devido sua descentralização, não contam com militantes pois não há bem um ideal a ser protegido, embora em sua eleições possuam vultosas quantias monetárias de pouca empresas. Exemplo: PSDB, PV e PSB.
O PT é um partido de massa que flerta com o quadro, quanto menos o Lula interfere mais de quadro o PT se assemelha.

A saga de um brasileiro para ter seus documentos

Quando minha CNH venceu, nem fui atrás de renovar porque havia vendido meu carro, sendo assim, para que perder tempo em repartições públicas.

O mundo gira então tive que renovar e aí começou a saga que nem os escritores de Lost poderiam prever.

 

1056130_50646688

Fiz a agendamento no site do Poupatempo, nada muito intuitivo, mas com um pouco de café e perseverança consegui marcar para o dia seguinte.

Minha CNH é de Catanduva, sendo assim, antes da renovação era necessário passar para a cidade de São Paulo.

Fui na hora marcada, as 8 horas da madrugada, e peguei a fila da triagem, que confesso que havia apenas três pessoas na minha frente. Lá falei que era transferência e renovação, ela checou meus documentos, assim recebi uma senha que seria chamada no painel 2.

Após uns 15 minutos de espera fui chamado e prontamente atendido, pediram meu RG, CPF, CNH (todas essas informações estão na CNH, mas e daí…), comprovante de residência.

Ela abriu o protocolo até perceber que minha carteira era de Catanduva, resultado – voltar para a fila da triagem, a mesma que me enviou erradamente para a renovação antes da transferência.

De volta para a triagem fui atendido após uns 10 minutos, rápido até, a mulher esbravejou, perguntou-me quem havia me enviado errado e eu, que não sou X9, nem falei nada.

Ela pegou novamente meus documentos (terceira vez apresentando que eu, sou eu) e disse que meu RG estava muito velho e que não poderia aceitar aquele documento, apesar da CNH e CPF comprovar de que eu, era eu. Ah, estava com certificado de reservista, embora por um motivo misterioso ele não é aceito.

Mission Fail

Fui então fazer uma segunda via da minha carteira de identidade que agora conta com o número do PIS, comprovado por meio do cartão cidadão, logo tive que tirar o cartão cidadão, diga-se de passagem para tirá-lo precisa do RG e para este precisa do cartão cidadão, fiquei com medo de cair no limbo, mas houve salvação.
CNH – RG – Cartão Cidadão – RG…

Fui na Caixa Econômica e pedi o cartão cidadão, sendo que este aceitou a reservista como documento de identidade, 15 dias depois já estava com ele em mãos e fui atrás do RG.

Novamente agendamento no Poupatempo, dessa vez no da Luz, levei o documentos necessários, tirei minha foto, deixei minhas impressões digitais e paguei a taxa.
E novamente 15 dias depois já estava com ela em mãos.

CNH – RG – Cartão Cidadão (15 dias)- RG (15 dias), enfim um mês depois de querer renovar minha carteira de motorista pude efetivamente começar a desenrolar a situação.

Cheguei por volta das duas horas no Detran da Armênia e fui para a zona de triagem, lá a mulher checou meus documentos e liberou o pagamento da transferência e da renovação, rápido, 10 minutos ali. Estava lindo até ir pagar a taxa, fila enorme na única agência interna que recebe os pagamentos, depois de quase 30 minutos consegui pagar o boleto em meio a discussão de funcionários e clientes sobre se o ventilador deveria ficar ligado ou não, segundo uma das atendentes: Uma hora nóis sofre, outra hora são vocês (óbvio que eu estava na hora do “são vocês”).

Desci novamente para a triagem que viu o pagamento efetuado, junto com os documentos, e me deu uma senha para dirigir-me ao atendimento da transferência no painel 2.

Sentei uma garota que a vontade de trabalhar se assemelhava com uma tartaruga com preguiça, ela preencheu o formulário, confirmou novamente meus documentos e pronto, começou a burocracia agir.

Ela pediu para eu me dirigir ao computador, entrar no site do Detran e agendar a renovação via online, após isso dirigir-me à triagem para pegar uma nova senha.

Lá vou eu no computador do Detran agendar a minha renovação, que já havia feito com a transferência, pelo menos na minha cabeça. Havia uma hora livre às 17h30, peguei e fui lá na triagem. Era mais ou menos 16h15.

Na triagem ela me deu a senha e um papel que me levou novamente ao painel dois. Sentei do lado da primeira atendente, a minha nova colega emitiu um papel que me autorizava a ir fazer o exame médico em qualquer clínica credenciada, após checar meus documentos, de novo, mas antes disso, ela pediu para eu utilizar a mesma senha e dirigir-me ao painel 3.

Com uns 5 minutos de espera fui atendido pela típica funcionária de filmes de humor. Impassível de soltar um “bom dia” como se isso fosse o desafio do dia, essa atendente checou meus documentos ( a essa hora eu já estava duvidando de quem eu era), pegou minhas impressões digitais, tirou foto e me mandou ir fazer o exame médico.

Lá vou eu, às 17h, para fora do Detran em busca do exame médico que, obviamente achei na esquina.

Paguei a taxa, claro que em dinheiro porque cartão é algo proibido no que se diz a serviço público, fiquei uns 15 min em uma sala de espera até ouvir no corredor ao fundo alguém chamando meu santo nome.

Um médico que mal saia a voz, talvez efeito de anos de cigarro, falou algo comigo que apenas sorri, pois fiquei com receio de ser o enigma da esfinge. Foram mais ou menos 30 segundos de teste visual, digno de aprovar Mr. Magoo com louvor.

Com meu ótimo exame em mãos (superman ficaria com inveja das minhas habilidades descritas no papel), voltei ao Detran e entreguei o resultado no retorno – que fica na triagem – após checarem meus documentos e pronto, agora é só esperar três dias úteis para ser novamente habilitado.

CNH (duas horas fail) – RG – Cartão Cidadão (15 dias)- RG (15 dias)-(CNH 3h30 + três dias) = 33 dias cinco horas e 30 minutos para renovar um documento.

Uma nova saga se apresenta, por algum motivo divino eu encanei de tirar meu MTB, registro de jornalista no Ministério do Trabalho, e já começou bem: Liguei na central de Santana, do lado de casa, e ela mandou eu fazer meu SIRP antes de entrar com o pedido no Ministério.

Fui na minha ingenuidade e fiz o cadastro no SIRP (Sistema de Informações da República), detalhe ele tem validade de entrega ou ele prescreve, o meu deixará de ser válido no dia 04/10 e meu agendamento para pegar o MTB será no dia 14/10, na sede regional de São Paulo, porque em Santana não havia mais horário disponível nesse ano.

Uma visão chata do jornalismo

2012-04-05 13.12.02

O jornalismo nasce como uma profissão marginal. O trabalho de letrados, muitos escritores que tinham como única alternativa de trabalho escrever para jornais e revistas para sustentar seus vícios.

O jornalista era o “olhar dos de fora” dentro do mundo daqueles que faziam a roda girar. Um chato, um malandro no modo “zé pelintrisco” do termo, que incomodava com suas perguntas que tinham por trás até mesmo um “q” de recalque.

Hoje em dia é um profissão de elites, não que haja algo completamente errado com isso, contudo  muda completamente o viés da comunicação.

Ao entrar na Cásper tive como companheiros de estudo a classe média alta paulistana e a classe média do interior do estado o que tornou tudo muito homogêneo.

Pessoas iguais pensando de maneira parecida com apenas algumas arestas de diferença e isso reflete no jornalismo que vemos sendo feito hoje.

O filtro de notícias passa pelo olhar do profissional da comunicação, quem determina o que é fato relevante ou não é ele, com pessoas que possuem as mesmas referências culturais o filtro se torna “standart” e temos como consequência a chatice e mesmice como resultado nas grandes mídias.

A profissão perdeu se caráter de chata, para se tornar glamourosa e, como tudo que vende fama, tornou-se escrava da sua própria vontade de se vender assim.

Redações sem conflitos ideológicos, culturais e de experiências de vida perdem a vida, perdem o movimento e esvanece seu sentido de ser.

Soma-se a isso a impossibilidade do novo jornalista de pensar, afinal, sua bunda está quadrada na cadeira e a apuração mais profunda é a validação da Reuters porque se ele não subir o “furo” no portal rapidamente a página perderá os “views”.

Poucos profissionais na redação e que são obrigados a realizarem serviços de curadoria em setores que nem há um grande conhecimento , o culto ao “amador” incentivado pelas próprias entidades da imprensa, e a necessidade de não ficar para trás, ao invés de gerar conteúdo relevante.

Tudo isso tem seu lado bom, afinal, somente os loucos e cheios de “vícios” é que se sujeitarão a esse tipo de trabalho gerando novamente o conflito do saber dentro da profissão. De repente, o fundo do poço do jornalismo será a salvação.

O “Efeito Sheherazade”, parabéns você foi manipulado

Nós brasileiros adoramos um culpado, menos a nós mesmos. Falar que a Sheherazade é a culpada pelos linchamentos que estão acontecendo, não passa de censura sobre alguém que tem uma opinião diferente e, cá entre nós, um linchamento moral sobre a jornalista.

Utilizando o Google Trends, que mostra as tendências de buscas, percebemos que os casos de linchamento noticiados permanecem relativamente constantes desde 2009 até abril de 2014. Há um aumento em maio, devido ao caso do linchamento da mulher acusada injustamente.

odonodomercado

O crescimento do número de buscas se dá não pelo alto índice de linchamentos, já que se trata do mesmo episódio, mas sim pela evidência que se deu ao fato justamente por causa dos comentários de Sheherazade, ou seja, ela não é a causadora do ocorrido em si, mas ficamos sabendo do linchamento com a comoção que teve por Sheherazade ter feito seu mítico comentário no jornal.

Colocar a culpa em uma evidência, ou em um fato, é jogar no lixo todo o estudo da Criminologia que isenta até mesmo o infrator como elemento único do delito.
Para a Criminologia moderna o delinquente é fruto de fatores psico-bio-sociais que atuam de diferentes maneiras sobre ele.
Focando no caso em questão. Colocar a culpa no “Efeito Sheherazade” pelo acontecimento é despejar toda a delinquência sobre os ombros de um dos fatores sociais, afinal, temos a localidade, as amizades, a cultura local dentre outros inúmeros componentes sociais.

E mesmo que ali fosse (e na realidade é) um local de pessoas que sofrem por falta de saneamento, falta de escolas, falta de presença Estatal, ausência de segurança e composto por famílias desestruturadas ainda assim teriam outros fatores que seriam determinantes para realizarem ou não o fato.

Porém é claro que toda a culpa é da Sheherazade. Adoramos procurar um culpado assim como fizeram com a mulher, afinal alguém tem sempre que pagar.

No jornalismo há uma teoria chamada de Agenda Setting. A teoria basicamente fala que o público vai discutir e vai considerar algum assunto relevante de acordo com aquilo que a mídia disser que é relevante. Lembre-se, enquanto você está lendo a sua timeline no Facebook, você está dentro de uma mídia.

 

“(…)em consequência da ação dos jornais, da televisão e dos outros meios de informação, o público sabe ou ignora, presta atenção ou descura, realça ou negligencia elementos específicos dos cenários públicos. As pessoas têm tendência para incluir ou excluir dos seus próprios conhecimentos aquilo que o mass media incluem ou excluem do seu próprio conteúdo. Além disso, o público tende aquilo que esse conteúdo inclui uma importância que reflete de perto a ênfase atribuída pelos mass media aos acontecimentos, aos problemas, às pessoas.”
Donald Shaw , 1979 (In: WOLG , 1994)

Traduzindo essa brincadeira toda, você coloca a culpa em alguém porque a mídia o disse para fazer isso, tanto no caso de quem acusa Sheherazade assim como daqueles que mataram a mulher movidos por uma página de rede social.
Então parem um instante para pensar antes de sair apontando o dedo para alguém.

Lembrando que Sheherazade é conservadora, algo diametralmente longe daquilo que defendo, contudo não colocarei a culpa exceto naquilo que ela fere as leis, ela tem o direito de livre manifesto de sua opinião e assim o deve continuar.

Preconceito e alienação de PC Siqueira sobre direita e esquerda

Profundamente falacioso isso.


Esquerda visa maior ação do Estado para minimizar problemas sociais, contudo no Brasil tem um caráter marxista o que leva-nos a ter uma extrema esquerda que visa tomar o Estado para a instauração da Ditadura do Partido Único.


A Direita, no Brasil, busca também uma maior ação social do Estado contudo ainda arraigado no conceito Integralista de Deus, Pátria e família. Também acredita em uma maior intervenção do Estado, extrema direita, com a intenção de proteção dos interesses nacionais.


PSDB e PT, por exemplo, são Sociais Democráticos o que os coloca como centro-esquerda. Não temos uma “direita” forte a atuante no Brasil nesses moldes.

Contudo temos uma terceira via que o PC Siqueira misturou no mesmo balaio que são os liberais.


Os libertários possuem suas vertentes contudo a mais corrente é que o Estado cuide das necessidades básicas: Saúde, Educação e Segurança e tenha uma carga tributária diminuta que permita às pessoas a desenvolverem a livre iniciativa. Isso dentro de uma visão “real” seria colocado como de Esquerda também.
Tanto a esquerda que temos aí como a direita, querem tomar o Estado, ampliá-lo de acordo com suas ideologias e seus intentos. O liberalismo prega a liberdade individual se aproximando muito do Anarquismo em vários pontos.


PC Siqueira se tornou influente utilizando uma ferramenta que permite as pessoas compartilharem o que querem de maneira gratuita. Não é uma ferramenta de Estado e mesmo assim cumpre a sua função de distribuição.


Ele se tornou o que é pelo seu próprio conteúdo, por sua livre iniciativa e agora vem colocar libertário como de Direita.
Sem mais.

“Cyberativismo” campanha SEO e a espiral do silêncio

“Se você é jovem militante petista, seja dirigente ou simpatizante, reserve esta quinta-feira, 10 de abril, para um compromisso importante.”

E assim começa mais uma tática triste que acontece em nosso país. A criação de “militantes” engajados que são responsáveis por difamar e agredir a oposição assim como defender por meio de conflitos e brigas o candidato de sua preferência.

Analisando pela ótica das campanhas isso não tem nada de ilegal, contudo gera uma grande briga com ataques ao invés de serem deflagrados argumentos.

 

partidao

Os amigos do PT e posteriormente PSDB infectaram as redes sociais assim como comentários de grandes jornais e geram uma imensa quantidade de conflitos e conteúdos inúteis e, se quer saber, funciona por causa do SEO (Search Engine Optmization).
Ao relacionarmos os nomes dos candidatos de oposição a certos tipos de palavras, influencia-se os buscadores a associar o nome do candidato a algo ruim.

Se você colocar que “Aécio Neves é corrupto” em muitos canais de destaque (Folha, Estadão, redes sociais…) você estará dizendo aos grandes buscadores de que “Aécio” e “corrupto” são palavras afins, gerando aquele grande problema do Google de autocompletar.

 

Era isso até que Aécio tentou fazer ao entrar com o pedido de proibir associação de palavras nos buscadores estilo Google. Uma manobra burra, porque desconsiderou os engajados de redes sociais que o PT tem. Estes saíram batendo no candidato gerando uma repercussão negativa para Aécio.

 

Além disso, com muitos engajados prontos para criticar qualquer coisa que se fale do candidato, ratifica-se o “Espiral do Silêncio”, teoria que defende a ideia de que as pessoas tendem a se calar quando estão em um ambiente que sua opinião é minoria. Se ao escrever algo contra um candidato, cinco, dez pessoas vierem te criticar a tendência será você não mais publicar algo negativo contra aquele candidato.

E é isso que o PT quer, pessoas que livremente se engajam para proteger o grande partidão vermelho brasileiro e os outros partidos vão na onda do trendsetter tornando nossa política cada vez mais parecida com brigas de vizinho.
 

Confira o chamado na íntegra.

 

PT NAS REDES

Se você é jovem militante petista, seja dirigente ou simpatizante, reserve esta quinta-feira, 10 de abril, para um compromisso importante.

É dia de participar da Oficina de Cyberativismo, no auditório da sede nacional do #PT, em Brasília, no Edifício Tufic (Setor Comercial Sul, quadra 2, Bloco C).

O cyberativismo tem sido alternativa valiosa para contornar a armadilha dos meios de comunicação de massa tradicionais, atrelados ao pensamento único conservador.

É uma ferramenta que faz a diferença no mundo da comunicação nos tempos atuais. É útil para mobilização social, organizar reuniões políticas e culturais e disseminação de mensagens a um número extraordinário de pessoas sem depender dos donos das TVs, rádios e jornais.

O evento destina-se em particular à juventude petista, que vem de uma vitoriosa trajetória de lutas e conquistas e busca novas formas de interação com o segmento jovem da população.

A programação da oficina, que começa às 9h, inclui o funcionamento das redes sociais, melhores práticas de interação, criação e compartilhamento de conteúdo na Internet.

O esforço que a direção do PT faz na busca de fortalecimento e consolidação de políticas para a juventude mira esse caminho.