Preconceito e alienação de PC Siqueira sobre direita e esquerda

Profundamente falacioso isso.


Esquerda visa maior ação do Estado para minimizar problemas sociais, contudo no Brasil tem um caráter marxista o que leva-nos a ter uma extrema esquerda que visa tomar o Estado para a instauração da Ditadura do Partido Único.


A Direita, no Brasil, busca também uma maior ação social do Estado contudo ainda arraigado no conceito Integralista de Deus, Pátria e família. Também acredita em uma maior intervenção do Estado, extrema direita, com a intenção de proteção dos interesses nacionais.


PSDB e PT, por exemplo, são Sociais Democráticos o que os coloca como centro-esquerda. Não temos uma “direita” forte a atuante no Brasil nesses moldes.

Contudo temos uma terceira via que o PC Siqueira misturou no mesmo balaio que são os liberais.


Os libertários possuem suas vertentes contudo a mais corrente é que o Estado cuide das necessidades básicas: Saúde, Educação e Segurança e tenha uma carga tributária diminuta que permita às pessoas a desenvolverem a livre iniciativa. Isso dentro de uma visão “real” seria colocado como de Esquerda também.
Tanto a esquerda que temos aí como a direita, querem tomar o Estado, ampliá-lo de acordo com suas ideologias e seus intentos. O liberalismo prega a liberdade individual se aproximando muito do Anarquismo em vários pontos.


PC Siqueira se tornou influente utilizando uma ferramenta que permite as pessoas compartilharem o que querem de maneira gratuita. Não é uma ferramenta de Estado e mesmo assim cumpre a sua função de distribuição.


Ele se tornou o que é pelo seu próprio conteúdo, por sua livre iniciativa e agora vem colocar libertário como de Direita.
Sem mais.

“Cyberativismo” campanha SEO e a espiral do silêncio

“Se você é jovem militante petista, seja dirigente ou simpatizante, reserve esta quinta-feira, 10 de abril, para um compromisso importante.”

E assim começa mais uma tática triste que acontece em nosso país. A criação de “militantes” engajados que são responsáveis por difamar e agredir a oposição assim como defender por meio de conflitos e brigas o candidato de sua preferência.

Analisando pela ótica das campanhas isso não tem nada de ilegal, contudo gera uma grande briga com ataques ao invés de serem deflagrados argumentos.

 

partidao

Os amigos do PT e posteriormente PSDB infectaram as redes sociais assim como comentários de grandes jornais e geram uma imensa quantidade de conflitos e conteúdos inúteis e, se quer saber, funciona por causa do SEO (Search Engine Optmization).
Ao relacionarmos os nomes dos candidatos de oposição a certos tipos de palavras, influencia-se os buscadores a associar o nome do candidato a algo ruim.

Se você colocar que “Aécio Neves é corrupto” em muitos canais de destaque (Folha, Estadão, redes sociais…) você estará dizendo aos grandes buscadores de que “Aécio” e “corrupto” são palavras afins, gerando aquele grande problema do Google de autocompletar.

 

Era isso até que Aécio tentou fazer ao entrar com o pedido de proibir associação de palavras nos buscadores estilo Google. Uma manobra burra, porque desconsiderou os engajados de redes sociais que o PT tem. Estes saíram batendo no candidato gerando uma repercussão negativa para Aécio.

 

Além disso, com muitos engajados prontos para criticar qualquer coisa que se fale do candidato, ratifica-se o “Espiral do Silêncio”, teoria que defende a ideia de que as pessoas tendem a se calar quando estão em um ambiente que sua opinião é minoria. Se ao escrever algo contra um candidato, cinco, dez pessoas vierem te criticar a tendência será você não mais publicar algo negativo contra aquele candidato.

E é isso que o PT quer, pessoas que livremente se engajam para proteger o grande partidão vermelho brasileiro e os outros partidos vão na onda do trendsetter tornando nossa política cada vez mais parecida com brigas de vizinho.
 

Confira o chamado na íntegra.

 

PT NAS REDES

Se você é jovem militante petista, seja dirigente ou simpatizante, reserve esta quinta-feira, 10 de abril, para um compromisso importante.

É dia de participar da Oficina de Cyberativismo, no auditório da sede nacional do #PT, em Brasília, no Edifício Tufic (Setor Comercial Sul, quadra 2, Bloco C).

O cyberativismo tem sido alternativa valiosa para contornar a armadilha dos meios de comunicação de massa tradicionais, atrelados ao pensamento único conservador.

É uma ferramenta que faz a diferença no mundo da comunicação nos tempos atuais. É útil para mobilização social, organizar reuniões políticas e culturais e disseminação de mensagens a um número extraordinário de pessoas sem depender dos donos das TVs, rádios e jornais.

O evento destina-se em particular à juventude petista, que vem de uma vitoriosa trajetória de lutas e conquistas e busca novas formas de interação com o segmento jovem da população.

A programação da oficina, que começa às 9h, inclui o funcionamento das redes sociais, melhores práticas de interação, criação e compartilhamento de conteúdo na Internet.

O esforço que a direção do PT faz na busca de fortalecimento e consolidação de políticas para a juventude mira esse caminho.

 

Campanha do TSE e a farsa conscientização do eleitor

Era uma terra muito engraçada Não tinha teto só tinha palhaço…

O Brasil é um país em que o partidarismo rompe qualquer barreira da palhaçada, fazem as coisas na nossa cara, pois sabem que logo logo esqueceremos.

O que é essa campanha do Tribunal Superior Eleitoral? Lançada no ar em 19 de março o comercial preza para que as mulheres votem em pessoas do sexo feminino.

Utilizando dados reais a propaganda manipula as mulheres com a frase “Até quando eles continuarão falando por nós?”

Esse ano teremos eleição para a presidente sendo a grande mulher presidenciável a nossa queridíssima Dilma Rousseff que, aliás já está no poder.

 

Com menos de uma semana após a campanha ir para a TV vemos um estudo do IPEA, feita entre maio e junho de 2013, sendo lançada estrategicamente agora, mesmo período da campanha do TSE, que coloca o homem brasileiro como um ser abusador, tese que rebati no texto

Precisamos aprender a ler. Uma análise da pesquisa sobre a Violência contra Mulher

Nenhum candidato pode fazer campanha eleitoral nesse período, embora isso não seja um problema para quem está com o Poder nas mãos. Utilizando as verbas publicitárias dos órgãos governamentais consegue-se uma “brecha” para inserir mensagens que favorecem um ou outro candidato, neste caso a Presidenta.
Uma campanha de conscientização do eleitor deveria incentivar a maior participação das mulheres na vida política brasileira, contudo o que o comercial do TSE está fazendo é dizendo que se DEVE votar em mulher, isso transforma as eleições em briga de gênero sem contar que está direcionando o eleitor em seu voto que, no caso, cai muito bem para Dilma.

Concordo que a representação das mulheres está muito aquém do que deveria ser. Nas eleições de 2012 foi o recorde de pessoas do sexo feminino eleitas em nosso país com 7.648 candidatas eleitas um total de 13,3% dos cargos, considerando que são a maioria da população isso está completamente desproporcional.

Porém é profundamente inoportuna e partidária a publicação de um comercial como este do STE em que induz a votação dessa forma e se considerarmos a nova propaganda (ainda não achei na internet) em que fala “Esqueça o passado e vem pra urna” vemos que o Supremo está fazendo um desserviço ao público brasileiro. Vamos esquecer Mensalão, vamos esquecer taxa SELIC, vamos esquecer as metas de inflação que não batemos nenhuma, vamos esquecer a Petrobrás e vem pra urna.

Vale lembrar também que no Governo Dilma as mulheres são peças centrais estando como Chefe-Civil, presidência da Petrobrás, Secretaria dos Direitos Humanos e assim por diante.

E se o hino nacional falasse a verdade?

E se fizéssemos nosso hino nos baseando na realidade do brasileiro?

O vídeo é meio antigo, porém expressa muito bem os problemas que temos em nosso país.
Ah! taxa Selic aumentou de novo, preparem os bolsos. Como não podemos fazer praticamente nada além de chorar, pelo menos ria um pouco assistindo ao vídeo!

 

 

Intervenção dos alunos na aula de um professor no Largo do São Francisco. Certo ou errado? Eu fico com o não sei.

Circula o vídeo da intervenção dos alunos na aula do professor e ex-diplomata Eduardo Lobo Botelho Galazzi, em que ele fazia uma aula sobre a Ditadura Militar. Segundo os alunos, ele entregou um “Documento de Continência a 1964”, ou seja, defendendo o Golpe Militar.

 

O professor relata sobre a falência do pensamento Comunista relatando a destruição cultural e espiritual causada pela ideologia Marxista.

Pensem comigo… quantos Estados democráticos e livres foram formados com a implantação do Comunismo? Mas enfim, não estou aqui para debater Direita VS Esquerda VS Centro VS Hadouken.

Vídeo feito pelos alunos que entraram na sala.

 

Confira o manifesto feito pelo professor em que obviamente escorrega na questão de colocar os militares e a Ditadura instaurada como a ferramenta que levou o Brasil ao desenvolvimento, algo que provou-se falacioso ao longo da história por meio de manipulação de metas e construções irreais (Usinas Nucleares, transamazônica e assim por diante). Carta Galazzi – Golpe de 64.

 

A grande defesa dada por Eduardo Lobo Botelho Galazzi não era da Ditadura Militar, mas sim, a situação do Comunismo como corrente ideológica que matou mais gente do que qualquer outro modelo politico conhecido e até uma visão um tanto quanto ingênua em que situa a população brasileira como solidificada em um sistema democrático “Pós-Capitalismo”.

carta prof

Vamos as seguintes análises:

A defesa do Golpe de 64 foi ampla e praticamente irrestrita em inúmeras camadas da sociedade inclusive entre os intelectuais que vislumbravam o possível controle comunista do Estado Brasileiro.
Isso é comprovado pelas posturas tomadas pelo Presidente João Goulart que insuflaram ainda mais a certeza de um golpe comunista.

A Ditadura Militar, por mais que seja chamada de um contra-golpe, não ajudou o Brasil a evoluir em nada. Pode ser que realmente tenha impedido um golpe comunista, porém caímos em uma Ditadura de qualquer maneira, com censura, tortura e tudo aquilo que um Estado pode fazer de pior.
Pouquíssimas frentes lutaram por uma democracia naquele período. Havia movimentos guerrilheiros que buscavam implantar o controle comunista, tanto que muitos foram treinados na URSS e Cuba principalmente entre o período de 1965 até 1970. Vide nossos amigos José Dirceu, Fernando Gabeira e o ex-ministro do meio ambiente Carlos Minc.

A luta pela democracia surge em um outro momento, aquele em que a sociedade cansada dos abusos e de ser tratada como massa resolve sair às ruas. Esses são os verdadeiros heróis, pois a iniciativa individual dessas pessoas é que geraram a força propulsora de uma luta realmente voltada para o poder do povo.

O que isso tem a ver com o vídeo? Tudo e nada ao mesmo tempo.

Os estudantes têm o direito de lutar pela liberdade e de fazerem um protesto legítimo contra qualquer um que atente à Democracia. Contudo fazem isso com um viés ideológico de extrema esquerda o que, cá entre nós, visa à instauração de uma Ditadura, com censura, supressão dos que pensam diferente e assim por diante.
Em uma Faculdade de Direito, a primeira de nosso país junto com a de Olinda, o mínimo que se espera é que haja respeito ao professor e à sua aula, independente do viés ideológico dele. Poder-se-ia propor debates e assim por diante.
Mas combater com a realização de um protesto de oprime o direito de um professor de falar em sua própria sala de aula é uma censura velada, ele estando errado em seu pensamento ou não.
Não PODEMOS utilizar as nossas ideologias e visão de mundo para sufocar o pensamento dos demais é abrindo a boca que se vê quem está certo ou errado, e não, suprimindo o direito de ninguém.

Enfim, não discordo dos alunos porque sou plenamente a favor da liberdade de expressão, embora discorde dos alunos porque sou plenamente a favor da liberdade de expressão.

Espero que tenha ficado a lição para todos com essa “celebração” do Golpe de 64, a de que o Estado, independente da cor que ele veste, quando assume total controle da violência e de nossas vidas, torna-se um demônio para aqueles que aspiram à liberdade.